O DAVI E O GOLIAS





  Quando se trata da história de Davi de Golias, acredito que a grande maioria do público saiba do que seu contexto. A história Bíblica onde Davi, um pequeno e magro soldado portando apenas uma funda e uma pedra, derrotou o gigante Golias que ultrapassava os 2 metros de altura. Uma verdadeira história de Fé e superação. 

Falando da Europa, temos confrontos parecidos, veja por exemplo este último ocorrido:

  Na semana passada ocorreu mais um conflito envolvendo a tão polemica (socialista) Rússia. Mais especificamente no domingo, a Rússia apreendeu três navios militares ucranianos em um confronto militar. Segundo os Jornais da região, os navios ucranianos estavam navegando pelas águas russas, violando a fronteira marítima e tentando atravessar o Estreito de Kerch, uma via estreita entre a Rússia continental e a Crimeia, que liga os portos ucranianos aos mares Negro e Azov.

  Aparentemente a ação é justificável considerando que em teoria estavam invadindo águas inimigas. mas não é bem assim que funciona. 


  Antes de definirmos opiniões é bom vermos o que aponta os dois lados.

  A Rússia manteve a posição de que seus soldados somente abriram fogo devido os navios terem avançado adentro a ponte da Crimeia, que considera estar em suas águas e que liga a península à Rússia continental.

  Já a Ucrânia alegou que seus navios foram capturados com 24 tripulantes a bordo quando haviam deixado a área do estreito Kerch há várias horas e navegaram até o seu porto de origem, Odessa, no Mar Negro.

  Além disso o Presidente Ucraniano Petro Poroshenko alegou em uma entrevista ao canal ucraniano ICTV: 

  "Uma denúncia está a ser preparada perante o TIJ contra a Federação Russa em relação ao ato de agressão contra nosso Estado"

  O mesmo ainda sustenta o fato de o mar de Azov ser compartilhado por ambos os governos segundo o acordo bilateral feito em 2003. 

  Logo após este ataque o Presidente declarou Lei marcial que inclui mobilização da defesa militar fortalecimento da inteligência do país, a mesma impede até mesmo homens Russos de adentrarem nas fronteiras, alegando um possível ataque terrestre. 

  Quando se trata de apoio internacional, basicamente toda a união Europeia se declarou a favor da Ucrânia, a Inglaterra e EUA também declararam seu apoio. Levando alguns a declarar até mesmo possíveis sanções econômicas devido estes atos, como a ministra de relações exteriores Austríaca Karin Kneissl. 

Mas voltando a origem do problema.


  Todo este trama começa em 2010, quando o então presidente Viktor Yanukovich voltou atrás de um acordo que faria com a UE, o que ampliaria as relações do país com o bloco vizinho, Essa decisão foi diretamente influenciada pela Rússia, que não via com bons olhos esse acordo, uma vez que a Ucrânia é um dos seus principais parceiros comerciais no continente europeu.

Com a aproximação a Putin, foi observado um aumento exponencial da fortuna do Presidente, era suspeito que o mesmo tinha acordos bilaterais com a Rússia envolvendo o gás natural. 

  Consequentemente, tanto partidos opositores como o próprio povo movidos pela revolta, foram as ruas causando a chamada “Revolução Ucraniana”, que logo após depôs o presidente, sim, ele era uma espécie de Dilma Rousseff Ucraniana. Logo após a deposição, Yanukovich fugiu para a Rússia, confirmando a tese dos opositores.






  Passado alguns dias, Vladimir Putin autorizou, como possível retaliação, a tomada da Crimeia, uma região até então ucraniana que simplesmente foi tomada e anexada ao território Russo, fácil assim. 







  O mais curioso é que esta atitude de tomar e anexar me lembra claramente de um bigodinho que foi anexando e anexando até chegar aonde vocês sabem bem. E agora uma informação relevante, todos maiores expoentes mundiais não reconheceram a Crimeia como russa. 

Sabe quem reconheceu? 

Adivinha?

  Venezuela, Cuba, Bolívia e Síria, nações desenvolvidas de primeiro mundo guiados pelo "glamuroso" Comunismo/socialismo. Temos como excessão somente a China, o porque esta descrito no nosso ultimo texto. 

Obviamente após esta tomada, as relações nunca mais foram as mesmas, grupos militares pró russos agem até os dias de hoje, como uma especie de FARC ucraniana, trazendo uma guerra civil ao leste do país. 

  Sobre o ataque marítimo, o conflito continua em ativa, basicamente sustentado por meio de ameaças, três marinheiros ucranianos continuam detidos sob custodia russa, o desfecho deste novo episódio da novela Russa ainda não sabemos, mas observando os últimos confrontos nestes últimos anos, percebe -se que ficara somente na ameaça. Porque? 

Primeiro vamos ver como dispõe a divisão das estações de ano Europeia: 



Primavera: 21 março até 20 junho.


· Verão: 21 junho até 20 setembro.


· Outono: 21 setembro até 20 dezembro.


· Inverno: 21 dezembro até 20 março.



  Pois bem, visto isso, neste exato momento estamos praticamente na metade do outono em preparação para o inverno, em Berlin por exemplo, este mês as temperaturas estão variando em entre 2º e 6º graus célsius, dito isso, uma afirmação é clara, está muito frio e só tende a piorar visto que o inverno começa ao fim de dezembro. 

  Devido ao frio extremo que em algumas localidades chega aos -20º graus, a maioria das casas europeias possuem aquecedor, é de extrema importância, até porque acredito que os mesmos não queiram andar como esquimós dentro da própria casa. Para o funcionamento dos aquecedores, um item é essencial, o combustível, este seria o gás natural, para ter uma noção do quão critico é a necessidade, o gás preenche cerca de 24% de todo o consumo energético da Europa. E ainda mais, Estudos mostram que o gás já é o terceiro combustível mais consumido do mundo: 


Veja o gráfico abaixo: 








Uma vez entendido isso, voltamos ao tema base, qual a relação do gás com o confronto Russo. 


Veja o próximo gráfico e entenda logo de cara: 




  Observando o gráfico acima, percebemos que grande parte das reservas naturais do mundo de gás natural se encontram com a antiga URSS, mas como reservas naturais não vão embora com o fracasso, os mesmo se mantem na atual Rússia, dados indicam que atualmente o oriente médio ultrapassou a Rússia, porem a mesma detém cerca de 30% do gás mundial, ou seja, basicamente, toda a UE depende do Gás natural Russo. Existem regiões como todo o Reino Unido que já buscam modos sofisticados para não serem dependentes da Rússia, porem são poucos. Mas Resumindo, Basta Vladimir Putin decidir fechar a “torneirinha” que um caos econômico se instaura na Europa. 


Dado este poder colocado em cima de um autoritarismo Russo, percebemos que em base que em quase todos os anos, a Rússia realiza algum tipo de ataque ou ameaça. No início deste ano a Noruega acusou a Rússia de estar tramando ataques contra o país, no ano passado por exemplo tivemos que que durante todo o ano a Rússia esteve envolvida em um confronto baseado em ameaças com os EUA, Inglaterra e França, devido conflitos na Síria. 

Em 2016 tivemos a acusação da interferência da Rússia nas eleições americanas, e voltando um pouco mais, temos a própria invasão da Crimeia. 

Existem muitas Teorias que acusam a Rússia de agir desta forma com o objetivo de uma futura Revolução Socialista na União Europeia. Mas colocando os pés no chão, minha opinião é de que se trata mais de uma falta de superação Russa. Pense bem, temos como presidente Russo um ex-agente da KGB, inteligência da derrotada URSS. O segundo partido com mais parlamentares é o partido comunista. Não devem ter superado o triunfo do capitalismo, assim todos os anos os mesmos fazem total questão de chamar a atenção do mundo como verdadeiras crianças, no intuito de provavelmente dizer:

“EI, OS REVOLUCIONÁRIOS ESTÃO AQUI, OLHE PARA A GENTE PAPAI EUA, SOMOS FORTES E AINDA TEMOS PODER”

Com certeza possuem, mas algo é certo, temos de parabenizar não só Ucrânia, mas a Polônia, a Finlândia, Noruega, Letônia, Lituânia e Bielorrússia por segurarem esta opressão Russa, sendo este braço ex-soviétivo que separa o revolucionário da democracia, e de fato serem verdadeiros Davis, lutando contra o grande Golias russo.



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.