Esqueça a Política. O Brasil Não Vai Mudar.



Certas coisas não mudam. 



Esta foi a frase proferida em um memorável filme de Tom Hanks: Forest Gump.
Muitas vezes devido a uma constante mesmice sobre tudo o que acontece na vida de um cidadão, o mesmo acaba adquirindo esta frase na sua vida.
Como assim?
Forest Gump. Robert Zemeckis

Um exemplo é um cidadão médio que passou toda a sua vida trabalhando em busca de um possível norte financeiro, adquirir um bem, a tão sonhada casa própria ou o carro zero. Geralmente este norte é oferecido pela mídia que instiga na cabeça do cidadão que todos os seus desejos são possíveis, e são.
Porém a mesma mídia que em vezes prega estes tão sonhados objetivos, direciona a cabeça de tal pessoa a ponto de que o pensamento se torna o seguinte: “o país está falindo, logo eu dificilmente conseguirei algo de importante”. Pensamento incorreto? Bem, em parte sim, mas somente em parte afinal a partir do momento que o estado coloca suas mãos na economia, já sabemos o resultado.
Logo com a moeda em crise, juros a longo prazo se tornam altos, o cidadão recorre a liquidez  imediata, o dinheiro rápido, aquele da sua conta corrente, e no medo de um futuro incerto, gasta todo esse dinheiro, torra, de modo que não faz investimentos e continua sua vida na mesmice de um sonho que parece aos poucos se distanciar.
Esse e alguns outros motivos levaram o brasileiro pobre e médio ao pensamento: “certas coisas não mudam”. Certas coisas como o valor crescente e abusivo do combustível e insumos em geral não mudam, o valor entre um salário médio e um bem em uma constante diferença abismal e mentiras impostas diariamente durante eleições.
Exemplificando este pensamento, seria em média o seguinte.
“O País sempre foi assim, não se irrite com política, as coisas sempre foram assim. Se acostume, esta é a realidade. “
“Certas coisas não mudam. “

Bem brasileiro, entendo este teu desanimo, mas as coisas mudam sim.
 Exemplo básico:

Nova Zelândia, este país em meados da década de 80 era considerado ameno, atrasado, sem destaque, sem atrativos econômicos e perspectivas. Porém na mesma década, dominado por um governo de esquerda, o ministro Roger Douglas, provavelmente leu “As Seis Lições” de Ludwig Von Mises  e como um possível estalo do fantasmas austríacos em sua mente, o mesmo começou a adotas medidas extremamente liberais em seu governo (contrarias a sua ideologia), entre elas diminuição drástica do Estado com demissões em massa de cargos públicos, controle de gastos (monetário e fiscal), redução da máquina pública, suas atuações e poderes, e principalmente forte redução do protecionismo econômico, liberando o mercado com tarifas mínimas, principalmente com importação.
Tais medidas trouxeram um dos grandes ativos do capitalismo, investimento estrangeiro, logo o país começou a crescer exponencialmente em sua economia, e automaticamente, a qualidade de vida de sua população.
Segue abaixo um gráfico sobre o Crescimento do PIB geral do país e também do PIB do cidadão médio. Para você entender melhor, o crescimento econômico, seja em valor ou bens de cada um.





Pare para observar estes números, não é necessário ser um especialista para ver que a partir dos anos 80, que foi empregado medidas liberais, o país e sua população cresceu em um ritmo histórico. Para um efeito de comparação, nesta última linha que representa a renda bruta nacional por habitante, uma media que não é muito exata, mas que pode ser usada, os números atualizados do mesmo gráfico no Brasil nos colocam com o valor e $ 15,7 mil. Menos que a metade da média retratada da Nova Zelândia.

Bem leitor, este é apenas um exemplo de vários que posteriormente vou citar de mudanças drásticas que sim, mudaram a realidade de um país inteiro, para a melhor é claro.
E porque o mesmo não pode acontecer o mesmo no Brasil?
Depois desta eleição, temos todos os indícios de mudanças drásticas que podem ocorrer, falando de economia, as politicas adotadas por Paulo Guedes não fogem das politicas adotadas na Nova Zelândia em 80, e se deu certo lá, porque não pode dar aqui? Redução de ministérios, desburocratização, independência do Banco Central, foco no comercio exterior, cortes de tributações abusivas, Redução do estado (privatizações). É obvio que até o momento, a grande maioria não saiu do papel, mas porque não acreditar? Temos todo um caminho positivo pela frente, Investidores voltando para o país, valorização da moeda, isso somente com a guinada à direita do país. Então porque não acreditar?
Ressalto a importância de medias rápidas, como o nosso principal déficit, a previdência. Se apenas com esta guinada da eleição causou toda esta positividade, caso Paulo Guedes atenda as expectativas e comece a tomar pelo menos em parte estas medidas já neste primeiro ano. Podemos ter certeza que teremos um novo rumo ao Brasil. E quando isso acontecer, lembre – se:

Certas coisas mudam!


Fontes:


Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.