O dia da liberdade. O dia do Varejo.



Bem, considerando que os últimos textos postados tivemos assuntos maçantes sobre política e economia, começo este texto com uma breve história.

Era uma vez, num determinado reino vivia um velho sábio. Ele era o mais sábio dos sábios e nenhuma questão que lhe fosse levada ficava sem solução. Ele sabia tudo de tudo.
Existia nesse reino um rapaz que não se conformava com isso. Ele não aceitava o fato do sábio conseguir decifrar qualquer enigma, fosse ele qual fosse. Durante muito tempo o plebeu ficou arquitetando uma forma de pregar uma peça no sábio.
" Tem que existir uma forma de enganar o sábio. Ninguém sabe tudo de tudo "... pensava ele.
Até que um dia ele descobriu uma forma, a qual nem mesmo o mais sábio dos sábios teria saída.
"Colocarei em minhas mãos, levemente fechadas, um pequeno pássaro vivo e perguntarei ao sábio se o pássaro está vivo ou morto. Se ele responder que está morto, eu abrirei as mãos e o libertarei para o voo. Se ele responder que está vivo, eu o apertarei com os dedos e o matarei.
O sábio não terá saída.
Assim fez.
Diante do sábio ele procedeu como acima exposto, perguntando se o pássaro estava vivo ou morto.
O sábio olhou bem nos olhos do rapaz e respondeu:
"Meu bom homem, a vida desse pássaro está em suas mãos ".


Pois bem, este texto acima se trata da famosa história do sábio e o pássaro.
Aonde quero chegar com ela? Bem, A lugar nenhum.
Neste momento você deve estar se perguntando. Lugar nenhum? Que merda foi essa então?
Respondendo: Esta merda é o que o estado faz com você, comigo, com o seu conhecido todos os dias, a anos.
Pregam palavras bonitas e ligeiramente sábias que praticamente não tem ação alguma, um exemplo? Durante anos tivemos uma pregação extensa sobre a democracia, o estado democrático de direito.Tendo que democracia em síntese seria o governo em que o povo exerce soberania, ou seja o povo escolhe.

Em 2005 foi feito o referendo sobre a comercialização de armas de fogo e munições, o povo votaria sim ou não para o estabelecimento do Estatuto do Desarmamento. Resultado? 63% da população votou não à esta lei. Sendo assim, a lei foi revogada e hoje o cidadão pode comprar e comercializar arma de fogo tranquilamente, afinal, não vivemos em uma democracia? A vontade do povo prevalece.
Mentira.
Mesmo com 63% votando contra o estatuto, o estado manteve a lei de proibição. Mas o quê? E a Democracia? Pergunto o mesmo. 

Ou dando um exemplo básico, você que está lendo esta matéria, que eu não conheço absolutamente nada sobre, isso você leitor. Exijo que me empreste um dinheiro mensal do seu salário, a porcentagem eu definirei e vou te devolver quando me for conveniente. Quando for te devolver, não garanto que vou devolver um valor maior ou menor, porque depende de como vai estar a minha condição financeira.
Você aceita? acha justo? Acha "democrático"?
Garanto que para 99,9% das pessoas, não. Pois bem amigos, este é o FGTS, que é descontado todos os meses do seu salário, sem o seu consentimento, os mesmos que tiraram definiram quando vão te devolver, e o quanto vão te devolver depende da inflação, ou seja, como o estado estará financeiramente. 

Achou absurdo? 
Agora quero que alguém me informe qual foi o ano que o estado perguntou ao povo se eles poderiam tomar o seu dinheiro emprestado (FGTS)?
Bem, ninguém. Afinal, nunca houve esta pergunta à você ou o seu antepassado. Simplesmente os "governantes "onipotentes, moralmente perfeitos, lúcidos e brilhantes" tomaram esta decisão por você.

Muito democrático.




Trago este texto mais como uma reflexão para o que é provavelmente um dos dias mais importantes da historia brasileira ate hoje.


Luiz Felipe Pondé em um de seus vídeos cita que o governo correto frisa tomar sua decisões no varejo, não no atacado.


Como Assim?


Bem, já passei por situações onde fui comprar um produto, gostaria de comprar por exemplo três unidades diferentes, porem na hora da compra só fui informado que aquele valor acessível do qual me interessei, só valeria no atacado, na compra de 10 produtos exatamente iguais. O que aconteceu? Desisti da compra, pois eu tinha o desejo daquele valor e daqueles modelos em especifico do produto.


E o que isso tem a ver com o governo?


Durante tempos temos visto as decisões sendo tomadas no atacado, o estado acredita que em um geral, aquela lei faria o melhor ao "povo" sem antes consultar que o cidadão tem a sua decisão individual, decisão de poder comprar seu armamento para se defender, decisão para guardar seu dinheiro por conta própria e outras inúmeras situações. Sua decisão pessoal ( o varejo).


O liberalismo clássico defende que o cidadão tem total liberdade de agir, desde que a mesma não afete a do próximo.


Por isso para não estender, hoje neste dia histórico, tomem a decisão da liberdade, liberdade a sua opinião, ao seu desejo, a sua segurança e lembre das palavras de Pondé:


" Escolha quem quer fazer o governo no Varejo."



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.