Se Hillary tivesse ganho?


Há aproximadamente dois anos tivemos as eleições presidenciais nos Estados Unidos. De um lado a “mulher de Bill Clinton” e do outro o “Magnata Laranja”. Hillary trazia consigo o grito de “É campeão”, enquanto Trump era alvo de constantes ataques da mídia e chacotas. A senhorita Clinton tinha consigo o apoio de artistas, movimentos sociais e de grupos coletivos. Trump trazia as dúvidas e incertezas que o acompanhavam, vindo do seu próprio partido, isso pois o favorito a concorrer pelos Democratas era Ben Carson, atual secretário no país americano. 

As eleições foram marcadas pelo fortalecimento das “FAKE NEWS”, pelo constante envolvimento da mídia na influência do cidadão comum.

A advogada, Hillary, entrou como favorita e já cantava vitória antes da hora, porém após os resultados das eleições, a surpresa ficou por conta daqueles que não acreditavam na vitória do bilionário.



Donald Trump tem como característica seu patriotismo e slogan “Make America Great Again” e por seus acordos um tanto quanto agressivos, dito isso vale ressaltar que é inegável a estabilidade do governo americano desde sua entrada na “White House”. A moeda ficou mais estável e o desemprego é o menor desde 1969. 
Um dos feitos que pode ser um símbolo de uma re- eleição, foi o acordo com ditador da Coreia do Norte, logo após varias ameaças, chegando quase a uma guerra fria, contrariando grande parte das pessoas e da mídia que até  acreditavam em terceira guerra mundial.




Mas o que de fato vem à mente é: o que seria dos Estados Unidos com um governo Hillary?

O objetivo aqui não é prever ou dizer que seria melhor ou pior, mas dificilmente teríamos - com Hillary - acordos se formando, dado assim a crise mundial. A suavidade da democrata e a falta de pulso firme, característica dos Clinton, atrasaria uma “paz mundial”. O aumento do desemprego ou instabilidade, (isso porque a senhorita Clinton defende o aumento de impostos para mais ricos, o que iria burocratizar o processo de geração de empregos) a mesma aposta na tecnologia para geração de empregos, que apesar de ser bom, reforça a ideia do desemprego. Teríamos um maior número de imigrantes e refugiados, o que aumentaria a pobreza e geraria despesas nos cofres americanos, obrigando o aumento de impostos de maneira brusca, o que refletiria basicamente num governo tradicional que aqui
no Brasil estamos bem acostumados.

Deixando claro que o objetivo não é adivinhar o que poderia ter acontecido e sim gerar a dúvida e a reflexão na cabeça do leitor, dado um país que uma mera decisão afeta o mundo como inteiro, como estaria o Brasil nessa posição? A esquerda teria se fortalecido?

E se Hillary tivesse ganho?



2 comentários:

  1. Boas reflexões.
    Não consigo identificar quem são os autores dos artigos e ensaios. Na aba quem somos não diz nada sobre os autores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi! Agradecemos o feedback e já atualizamos a aba "quem somos" com o perfil de toda a equipe!

      https://www.oensaista.com/p/quem-somos.html

      Excluir

Tecnologia do Blogger.