False Flags



A possível eleição de Jair Bolsonaro a presidência da república causa calafrios à esquerda e ao poder vigente. Isso acontece pois a eleição do capitão simboliza (e efetivamente causa) a ruptura de um esquema de poder, que foi construído a anos a fio com pretensão de durar mais alguns anos a fio, por partidos de esquerda e por todos os fisiológicos que conhecemos como centrão.
Enfim, diante desse fato, o desespero dos canhotos e afins tem se manifestado agora pelas vias das False Flags. O termo é retirado de um conceito militar que se constitui de utilizar as bandeiras do inimigo de modo a tirar partido das consequências resultantes. Ou seja, se passe pelo inimigo para acusa- lo de algo.
Pois bem, nos últimos dias a imprensa tem relatado uma série de "ataques" e "agressões" promovidos por eleitores de Bolsonaro à pessoas e grupos, alguns supostamente contrários a candidatura do capitão.



Um desses ataques diz respeito a uma moça que acusa 3 supostos agressores, de terem a agredido com socos e posteriormente a marcado com um simbolo nazista utilizando um canivete (!). Tudo isso por ela estar vestindo uma camiseta com os dizeres "#EleNão". Estranhamente a jovem desistiu de representar criminalmente os agressores encerrando assim a investigação. Além disso, vale mencionar que nenhuma câmera da cidade flagrou o "fato".

Outras "denuncias" também tem aparecido, como pichações e manifestações racistas e de suásticas em universidades e colégios ao redor do Brasil, todas as relacionando à Bolsonaro.

 Essa estrategia é deveras patética. Além do imenso apoio da comunidade judaica, do grande apreço por parte do candidato ao Estado de Israel, Jair apadrinhou Hélio Bolsonaro, amigo militar, que é negro. Hélio se elegeu com mais de 300 mil votos se tornando o deputado federal mais votado do Rio de Janeiro.
Só pelos fatos citados acima, quaisquer relação traçada de Bolsonaro ao nazismo já cairia por terra. Por isso as false flags.
Criar uma falsa verdade e a impor a sociedade. Mesmo que inicialmente esdruxula, implicar que seu inimigo seja o que há de pior na humanidade é lugar comum aos canhotos, mesmo que isso signifique a reputação de uma pessoa ou de um determinado grupo. Vide os termos fascista, misógino e racista que perderam totalmente sua real conotação devido ao uso caluniador por parte desse pessoal.
E quando se tem a mídia a seu lado quaisquer mentira vira instantaneamente uma verdade, ainda mais quando se tem um inimigo em comum.

Enfim,

Acuse- os do que você faz, chame- os do que você é.

Fontes:

https://www.tercalivre.com.br/jovem-com-suastica-no-corpo-desiste-de-representar-criminalmente/

https://www.mblnews.org/esquerda-espalha-fake-news-sobre-pichacoes-em-universidade/?utm_source=home&utm_campaign=sidebar

https://oglobo.globo.com/fato-ou-fake/e-fake-que-muro-na-uerj-foi-pichado-com-frase-racista-simbolo-nazista-nesta-quinta-23149134



Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.